A Cara da Morte

Falei muitas vezes sobre essa personagem em nossas colunas. Por artes de uma licença literária, dei-lhe mãos, pernas, dei-lhe a ciência da ocupação permanente. Inventei-lhe expressões faciais, fala articulada, ainda que lacônica. Presumi-lhe jornadas longas ou curtas, sempre certeiras.

Não, a morte não tem uma cara. Sequer dedos erguidos, pernas atarefadas, mãos prontas a segurar uma adaga. A morte não é senão, a consequência final da nossa própria vida, feito molho de cordas guardado para a ocasião, feito lençol dobrado, à espera de cumprir sua virtualidade de criar o hiato, a sobra, a queda.

A morte não espera, ela é a própria espera. Não surpreende, mas alimenta-se da surpresa, do improvável, da ocasião.

A morte não tem sequer um plano, uma agenda, uma escolha. A morte se realiza como um baque suave de fruto apodrecido, ou como consequência de um braço estendido, de duas mãos cientes da esganadura, a morte triunfa na imprevidência de quem dirige embriagado, ou daquele que tem no ato de matar, o único prazer de sua vida. Como um agulhão de alegria, a morte realiza-se nessa agonia lenta do preparo, engrenagem demente dessa ânsia pelo fazer morrer.

Foi um erro pensar na morte como essa implacável senhora de mil faces. Inventamos essa palavra, como o ente final das nossas vidas, demos-lhe o estatuto da vivência, com sua corporeidade perfeita. Passamos tempo de mais a fugir de um encontro com sua mão, imaginando-lhe o vigor ou a leveza assassina.

A morte não existe, senão como essa máquina viva que debulha por mil maneiras, o último ato, o último gesto, o último suspiro da vida humana.

Se não acredita no que estou dizendo, leia os jornais, veja a televisão.

“eu pensei que ela houvesse morrido, disse a mulher, com suas imprecisões gramaticais, sua voz adulta cheia de infantilidade tola. Pensei que ela houvesse morrido, e então meu marido, que era mais forte, atirou-a pela janela aberta a golpes de tesoura, para que seus últimos rescaldos de vida pulsassem ali, sobre a grama recém aparada.

Não, a senhora morte nunca viria visitar aquela menina pequena, não fosse a sanha da esganadura, não fossem os braços rijos, atirando o fruto da sua ira para longe.

A morte não é senão, a engrenagem alimentada pelos esquecimentos. E são tantos e tantos, sobretudo crianças pequenas, esquecidas dentro de carros de luxos fechados, ao rescaldo do sol do meio dia.

A morte não existe, senão como um ato, um gesto, um dar de ombros, uma contenda, uma veia por onde escoam a cumplicidade, o desleixo, a falta de atenção, o desespero, o ciúme, as paixões, a droga, a fome, o delírio, a crueldade, essa lâmina fina que as vezes habita o espírito dos seres humanos. Agora sei, a morte não me visitará, porque ela não passa da minha própria vida, no seu último ato.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s