Uma Estranha Cronica sobre um Colóquio amoroso

Não poupa nada nem ninguém,, a mídia contemporânea. Feito um polvo de múltiplos braços, vai agarrando suspiros, caretas, as 111 visitas ao sítio de Atibaia, os vendavais e suas desconcertantes destruições, a esterilização em massa dos mosquitos, e, no meio de tudo, as mais de trezentas cartas trocadas entre o Papa João Paulo II e a filósofa Anna-Teresa Tymieniecka.

Com a voracidade e a pressa que lhe são peculiares nos dias que correm, a mídia despreza a linearidade dessa correspondência, seus intervalos, o encadeamento dos diálogos, a suposição dos silêncios, os selos e carimbos oficiais, a beleza por si só, a emanar desse fato, um Sumo Pontífice, em colóquio com uma filósofa.

Não, à mídia interessa mesmo espremer esses trinta anos de amizade e correspondências, debulhar e regurgitar para o mundo os fatos essenciais: ”O Papa João Paulo II manteve uma íntima e intensa correspondência com uma mulher casada, com quem se encontrou, fosse em presença de outros ou muitas vezes sozinho”.

Há que se deixar no ar o cheiro do escândalo, os presumidos sussurros,  ao lado de uma pequena nota explicativa: “Não há indícios de que o Papa haja quebrado seus votos”.

Assombrada com esta essencialidade midiática, impressionada com o vago perfil construído para Anna-Teresa Tymieniecka,a mulher casada, a filósofa com quem o Papa se correspondia de forma intensa, quis saber mais sobre a distinta senhora. A Wikipédia nos oferta uma biografia sua, portanto, devo pedir perdão aos leitores, por transmitir aqui, fatos os quais não posso comprovar.

Filósofa, o interesse central de Anna-Teresa Tymieniecka era a fenomenologia, entretanto transitou pelas áreas da matemática e das ciências sociais. O perfil disponibilizado via Wikipédia, revela a trajetória de uma pesquisadora universitária, produtiva, tendo alcançado o ápice da carreira, com pós-doutoramento e várias obras publicadas.

Nem a Wikipédia, nem o rolo compressor midiático, nos falam sobre as qualidades essenciais da pesquisadora, melhor dizendo, da mulher que aos poucos foi encantando ao então Cardeal de Cracovia,e cabe à nós, o exercício imaginativo de moldar a personalidade, provavelmente ao mesmo tempo forte e delicada de Anna-Teresa.

Ou será que temos mesmo o direito de expor ao mundo esses fatos? A bulha midiática sempre se beneficia de indiscrições, vazamentos, deslizes.

As cartas de Anna-Teresa Tymienieckachegaram ao rolo compressor, graças a um funcionário menos zeloso, que sentiu naquele espólio, o faro de um furo jornalístico.

O que se pede agora, a um mundo que só se alimenta do fatídico, do trágico e do bizarro, o que se pede é que se olhe com respeito para a beleza desses trinta anos, marcados por um diálogo entre arte, ciência, religião e amor.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s