“São Todas Putas”!

A frase e suas exclamações, estava em um adesivo, circulando hoje, em um dos carros do trânsito de João Pessoa. Outros slogans circulam por aí: “Comível, nojenta, estuprável, frígida, puta”!

O mais chocante é que eles não vêm dos pés sujos da cidade, ou mesmo das frases de caminhão. Aparecem nos locais onde os cidadãos e cidadãs deveriam ser respeitados, e, saem com facilidade das bocas daqueles que pleiteiam os cargos máximos no mundo.

A onda de misoginia incorporou-se à política, e, trava o cotidiano de mulheres e meninas, que, vítimas de violência, ainda correm o risco de serem julgadas como culpadas. Culpadas do que? De serem mulheres em um mundo em que os políticos dizem em alto e bom som, “Eu só não te estupro porque você é feia”.

Culpadas em um mundo em que parlamentares ficam impunes de acusação de estupro real, mas amealham provas contra a vítima, respaldados muitas vezes pela cumplicidade da polícia.

Três vezes culpadas em um mundo onde um candidato ao cargo global mais importante da política, a presidência dos Estados Unidos da América, chama a sua oponente mulher de nojenta e tem um passado recheado do cinismo e da moral mais torpe em relação às mulheres e ao que ele sempre fez com elas, arrazoado digno de uma pornô chanchada, mas, infelizmente é parte volumosa do seu currículo imoral.

A propósito do último debate eleitoral dos Estados Unidos, exibido ontem em canal fechado da tv brasileira, assisti constrangida à morte da própria política. Senti na própria pele da minha alma, a dor de estar habitando os escombros de um mundo onde já não há sinais de ética, respeito humano, luta pela defesa do planeta, do ambiente, das culturas sustentáveis.

A política, no mundo todo, virou uma rinha de galos, em que políticos fracos exercitam frases ensaiadas para o espetáculo telenovelesco que a mídia exibe em tempo real, para depois ecoar numa edição melhorada, a súmula das “melhores partes”.

A política mundial vive o seu pior momento, enquanto os dilemas mundiais seguem intocados, por interesses do consumo e da propriedade e uma ganância exacerbada pelo poder político.

Nessa escalada, são os homens que dão as cartas. Dos mais importantes aos mais humildes, bradam em alto e bom som, “são todas putas, frígidas, nojentas, feias, estupráveis”, e, se unem em torcida verde e amarela, como no episódio em que jovens brancos, de classe média alta, mandaram a presidenta dilma Rousseff tomar no cu em transmissão televisiva, em rede nacional.

A política mundial continua sendo um negócio de homens, ricos, brancos e cristãos. Só falta instituírem nos dicionários, o sinônimo para ser mulher: Puta.

 

 

Anúncios

One thought on ““São Todas Putas”!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s