A Matéria Fraca do Jornalismo Brasileiro

A carne está arruinada, dizia minha mãe, nos idos da minha infância, quando por alguma razão, a carne de casa havia se estragado. Quando isso ocorria, dava-se uma pequena tragédia na nossa família grande, de agricultores, onde os filhos maiores trabalhavam duro no campo, contando com quase nenhum recurso monetário, e onde a carne era, por assim dizer, produto de luxo, tal como o açúcar e o arroz, mas tinha de ser consumida rapidamente, pois não contávamos com energia elétrica e nenhum processo de refrigeração.

O episódio deflagrado pela operação Carne Fraca, é somente mais um capítulo da tragédia que se abate sobre o país dos nossos dias, no plano econômico, mergulhado em recessão profunda, e no plano político, amargando as consequências do golpe jurídico/parlamentar/midiático.

A cobertura desse episódio em particular, demonstra porém, a fraca matéria de que é feito o jornalismo comercial brasileiro, convertido em jornalismo publicista, artífice e difusor da narrativa oficial.

A cobertura do episódio tem objetivos implícitos: Por um lado, defender as empresas distribuidoras do produto, que são também grandes anunciantes dos grupos midiáticos. Por outro lado, alinhar-se com o discurso oficial do governo, na estratégia de abafar o escândalo e evitar os prejuízos que já se anunciam para a indústria, com a suspensão das exportações por diversos países.

O ápice dessa cobertura deu-se na edição do Jornal Nacional de hoje. Numa suposta aparência de transparência, o JN deu voz ao discurso oficial, de que os problemas da carne são pontuais e de que o grosso das investigações não se dá por problemas sanitários, mas antes, por problemas de corrupção.

Trata-se aqui da velha tática de contar uma meia verdade e obscurecer a inteireza dos fatos. De que corrupção a mídia e o governo estão falando? Que autoridades estão envolvidas nesse novo processo de corrupção, do qual não se sabe uma vírgula sequer?

A ruína ética e moral do jornalismo brasileiro não agendará essas questões, quando muito, divulgará listas e declarações, fingindo que faz jornalismo imparcial e ouve todos os lados do acontecimento. Estivéssemos, porém, no governo da presidenta Dilma, o viés da cobertura seria oposto ao modus operandi de hoje.

Estivesse no governo a presidenta Dilma, e a artilharia midiática não pouparia um bife ou um embutido sequer. Capas de revistas, manchetes de primeira página nos impressos, dia inteiro no noticiário televisivo e radiofônico, encontrariam maneiras de aplaudir a operação, ampliar seus efeitos e demonizar de todas as maneiras os agentes do estado envolvidos.

Mas a mídia necessita dar sua quota de contribuição para salvar o golpe que ela ajudou a deflagrar. Um golpe financiado pela mesma corrupção das empreiteiras, e quem sabe até, dos negócios da Seara e da Friboi.

Como diria minha mãe, a carne está arruinada. E eu digo com pesar, a carne, o leite e a matéria de que é feito o jornalismo brasileiro.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s