A Escuta do Outro Lado: Uma Imprensa que Falha todos os Dias

Não podemos viver sem a mídia que temos, mas a verdade é que o jornalismo precisa melhorar. Esta foi uma das conclusões do Simpósio Nacional sobre O Jornalismo Profissional e a Formação Universitária na Era da Convergência, realizado pelo programa de Pós-graduação em Jornalismo da UFPB, entre os dias 20 a 22 de novembro.

O evento reuniu pesquisadores de diversos programas de pós-graduação do país, mas trouxe também para o debate, profissionais do mercado, assim como os chamados jornalistas independentes, que trabalham em grandes agências alternativas, como a Agência Pública e a Lupa, que aplica uma metodologia para checar quando fatos jornalísticos publicados como notícias são verdadeiros ou falsos.

O professor Antonio Fausto Neto, da Unissinos, Rio Grande do Sul, proferiu a conferência de abertura, com o tema, “O Jornalismo como Narrativa do Presente”, demonstrando com muita ênfase que se, nas ambiências jornalísticas clássicas, a esfera da distribuição de conteúdos envolvia apenas protocolos técnicos, na contemporaneidade, essa esfera é talvez a mais importante, visto haver sido contaminada por uma grande avalanche de narrativas, modos de dizer, através das mídias sociais como facebook, Twitter, whatsapp, etc.

O pesquisador tratou brevemente da operação Lava Jato e do importante pacto feito com a mídia brasileira, a fim de que a narrativa central da operação sempre pudesse ser reproduzida na mídia. Ocorre porém, que tal narrativa não ouve, ou escuta mal o chamado “outro lado”, tão caro aos manuais de jornalismo, e que tem sido flagrantemente esquecido pela produção jornalística.

O “outro lado”. O tema também foi tratado na última mesa do evento, que reuniu midialivristas, além do projeto “Fora da Curva”, da UFPE, aqui apresentado pela professora Paula Reis.  Os participantes apresentaram a ideia de que a imprensa tem lado, e este, com poucas exceções, é sempre o lado das autoridades, do mercado financeiro, enquanto que a sociedade, através dos seus coletivos, luta por construir modos de dar publicidade à sua visão dos acontecimentos.

“É preciso elevar o custo da mentira”, esta máxima dos movimentos que trabalham contra o Fake news também reverberou nos debates. Considerou-se que notícias falsas não apenas elegem presidentes ou destróem reputações. As publicações falsas e o seu compartilhamento já fizeram vítimas fatais, como a chacina e a morte de Fabiane Maria de Jesus, na praia de Guarujá, cuja foto postada nas redes sociais, estava acompanhada da notícia falsa de que ela usava crianças para rituais de magia e bruxaria.

A negligência da imprensa para a escuta do “outro lado” também tem vítimas recentes, a exemplo do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, e do lastimável episódio do seu suicídio após denúncias de corrupção naquela instituição.

Checar e apurar, sempre. O jornalismo precisa tomar doses maciças desses cuidados, para que possa alcançar um pouco da sua credibilidade perdida.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s