O Processo Continua na Vida Real

Na segunda-feira passada, em companhia do meu amigo Pedro Nunes, fui assistir o documentário “O Processo”, realizado por Maria Augusta Ramos e que narra de maneira cirúrgica, os episódios recentes da política brasileira, os quais culminaram, em 31 de agosto de 2016, com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Rever a súmula daqueles acontecimentos, exposta no longa de mais de duas horas, amplifica em nós, a angústia que nos tomou de assalto nesses dois anos, mas sobretudo recupera a nossa perplexidade pelo que foram capazes de arquitetar, os artífices do golpe. Apearam do poder, uma presidenta eleita com 54 milhões de votos, que não cometeu crime de responsabilidade. Com uma narrativa regada à falácias como “ponte para o futuro” e “salvação nacional”, entregaram o governo do país ao núcleo dos que delinquem e perpetuam as práticas de corrupção que infestam as hostes do poder político, do estado e do empresariado.

O documentário de Maria Augusta, que tem lotado sessões de cinema desde o último dia 17 de maio, já arrebatou diversas premiações: Melhor longa-metragem internacional no Festival Documenta Madri – Espanha; Melhor Filme no Festival Visions du Reel em Nyon – Suíça; Melhor Filme no Festival Indie – Lisboa; Grande Prêmio do Festival Internacional de Berlim. Regado à imagens ora chocantes, ora espetaculares, o filme inventaria a falência de um parlamento apodrecido, assim como a hipocrisia da principal autora do pedido de impeachment, a advogada Janaína Paschoal. É uma aguda e terrível fotografia de um parlamento corrupto, empenhado em sacrificar a democracia e o estado de direito, a fim de estancar processos de investigação e de quebra, instituírem um programa neoliberal sem qualquer perspectiva de apoio popular.

Conforme me relatou Pedro Nunes, ao final do documentário “vemos um tempo com nuvens fechadas com as fumaças de gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral lançadas em direção aos protestos pacíficos. Há sinais de INDIGNAÇÃO mesmo com as balas de borracha e estampidos dos fuzis que ecoam na sala de projeção. As fraturas estão literalmente expostas e há cantos de resistência entoados firmemente por mulheres, homens e crianças”.

E o que Maria Augusta nos mostra, nas cenas finais do seu documentário,  é o país pós-Dilma, executando seu balé macabro de recuo para trás, para o aumento dos índices de pobreza, os cortes dos direitos sociais, a restrição nos investimentos em saúde, educação, e, o espetáculo dantesco da corrupção, dentro do governo.

O país pós-Dilma, que extrapola a agudeza da narrativa de Maria Augusta, e persiste na realidade, com a política desastrosa de reajustes diários dos combustíveis. Um país parado, executando seu balé macabro, rumo à desordem, ao caos, com vozes dissonantes pedindo a volta da ditadura militar. Um país sombrio, a caminho da tempestade.

E eis que chega a quinta-feira, 24 de maio. Reviso a coluna, ilhada em minha própria casa, com a certeza de que “O Processo” continua na vida real.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s