Desliguem a Tv: A Notícia Saiu de Cena

No início da manhã de hoje, quinta-feira, dia em que escrevo a coluna, as redes sociais como Twitter e facebook entraram em ebulição por conta de manchete de capa do jornal Folha de São Paulo. A notícia dá conta de que o candidato Jair Bolsonaro fez contratos milionários com empresas brasileiras e estrangeiras, para a compra e distribuição de feke News através do aplicativo Whatzapp.

Os primeiros números descobertos são estratosféricos. Contratos que orçam em cerca de 12 milhões de reais; quarenta mil grupos de Whatzapp contratatos para a distribuição e disseminação da virulência, da mentira, estratégia planejada para se intensificar na última semana antes da votação para o segundo turno.

Nos últimos dias, se saímos às ruas com adesivos ou camisas vermelhas, somos atingidos por gestos que simulam disparos de armas, alguns dos quais, infelizmente, já se concretizaram em ação concreta e contundente, a exemplo da morte do capoeirista baiano Moa do Catendê. Os ostensivos disparos porém, são de uma arma de outro calibre. Silenciosa, instantânea, de massas, a mentira difundida pelo what sapp vai destruindo o senso de reflexão crítica, o desejo do diálogo, do embate saudável de ideias, para inocular o ódio e o gesto do voto motivado pela vingança, pelo individualismo e egoísmo mais nefastos à construção de um projeto de país cidadão.

O mais estranho nisso tudo é o comportamento da grande mídia comercial a respeito da notícia. Nas tvs comerciais, os gatekepers trabalharam duro para que a notícia não chegasse ao portão principal da divulgação em seus telejornais. Silêncio total sobre o fato, que alcançou os tópicos mundiais do Twitter com a hash tag #CaixaDois.

No jonal Hoje da rede Globo, foi posta em operação a máxima “se achar melhor a gente não publica”. O jornal trouxe notícias sobre a terra vista em três dimensões, sobre um artista europeu que destruiu sua própria obra, sobre a probabilidade de visita do papa Francisco à Coréia do Norte. Na seção sobre as campanhas presidenciais, apresentou-se longa e complicada nota dos médicos de Jair Bolsonaro acerca da possibilidade do candidato estar nos debates. Na entrevista dada pelo candidato Haddad à rádio Tupi,a tv Globo suprimiu todas as falas do candidato referentes à denúncia estampada na folha.

Façamos um exercício de especulação, imaginando que o fato houvesse sido descoberto na campanha de Fernando Haddad, opositor de Bolsonaro. Certamente a notícia arrombaria todos os portões da tv, extrapolaria os noticiários, invadiria os programas de entretenimento, de esportes, transbordaria até para os horários dos comerciais.

Melhor já ir se acostumando. Se o candidato do ódio e da mentira vencer, conforme apregoam as pesquisas do IBOPE, a lei da mordaça e do silencio deverá imperar nas redes comerciais de jornalismo.

A campanha do candidato da bancada da bala instituiu a mentira como principal vedete para levar os eleitores às urnas, sob a pecha de que ele é honesto, e fala a verdade. Esse texto porém, só se sustenta em mensagens de whatsapp, regiamente pagas e atiradas na cara do cândido e revoltado eleitor. A mídia comercial, segue editando as falácias que ele distribui nas redes, a partir do subserviente trabalho dos seusancoras e comentadores.

Junto com a democracia, junto com a verdade, junto com a Justiça Eleitoral e o seu propalado combate aos fake News, o tele jornalismo brasileiro tambémmergulhou fundo nos excrementos jorrados pela política do PSL e seus apoiadores.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s