Ceia de Natal

 

Vivemos esses últimos dias feito sonâmbulos, arrancando sonhos às braçadas, do imenso caldeirão do consumo. Frenéticos, agarramos vestidos, sapatos, vinhos, maquiagens, longas argolas douradas e prateadas, celulares, muitos celulares, porta-retratos, velas perfumadas, um papai Noel esgoelado, à espera das pilhas, pacotes de viagens, pinheiros artificiais, grandes potes de sorvetes.

Somos um só e único bicho coleante, olhares esgazeados, risos descontrolados, mãos atarefadas, puxando, rasgando, segurando, apertando.

Siderados, contemplamos nossas mercadorias, enquanto os bips das máquinas registradoras e o ciciar plástico dos empacotadores abafam os guinchos do mundo.

Braços carregados de sacolas, seguramos com zelo os sonhos que pudemos arrancar do grande caldeirão do consumo. Outros são arrastados ciosamente pelos entregadores: móveis, carros, barcos, jatos novinhos deixados nos hangares feito pássaros inertes e brilhantes.

Compramos sonhos aos bocados, como se pudéssemos matar a sede, o vazio, o aperto no peito que nos tomam de assalto, enquanto o mundo real quebra os ossos da vida, esfarela possibilidades, cozinha suas litanias em fogo alto.

É assim todo fim de ano. Mergulhamos no imenso e viscoso mundo da publicidade, reféns das nossas antigas crenças, feito baratas tenazes, passeando na sopa fria da coalhada árabe. Imersos nesse mundo, com mãos ávidas, rompemos filas, ajuntamentos, para agarrarmos o que for possível. As canções, a profusão das luzes e enfeites, como que nos ajudam a vestir a fantasia dos frenéticos, dos sonhadores, enquanto que nosso peito rufa inutilmente seus vazios, sua espécie de fome, que nos encaminha de imediato ao mac donalds.

Poucas horas para a ceia, a missa do galo, mas nós continuamos nosso périplo, braços carregados de sonhos, as máquinas registradoras quase gritando para abafar a realidade que se prepara, a golpes de martelo, a carimbos ritmados, a tiros, gritos, papelotes e pedras.

– Feliz natal, dizemos com a boca cheia de peru, as mãos estendidas para a taça de vinho, olhos fitos no panetone trufado, à espera do primeiro corte.

– Feliz natal, dizemos todos com a boca cheia dos sonhos que pudemos arrancar do grande caldeirão do consumo, nossa pele vestida de sonhos, nossos pés trauteando a cantiga do sapato novo, nossos brincos grandes girando e brilhando debaixo das luzes da árvore de natal.

Batemos com os talheres nos pratos, cantamos ou falamos mais alto do que de costume, rasgamos papéis coloridos para esventrar os sonhos comprados no bazar.

Tudo para ocultar um mundo que brame e freme, um mundo que fere, corta, e cerze com o agulhão da maldade, as dores novas, por cima das dores velhas.

– Feliz natal, gritamos em coro, enquanto o mundo real estruge em gargalhada cínica, o grande ricto de maldade a selar os últimos atos, as últimas ordens, o pesado molho de chaves a trautear nas mãos infames, as últimas sílabas da sela fechada, o último gesto para o primeiro minuto da danação.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s