Fabrício Queiroz: Um Cidadão de Bem

 

(Este post foi publicado na última sexta-feira, em minha coluna impressa do Jornal A União)

 

Assisti a íntegra da entrevista de Fabrício Queiroz à jornalista Débora Bergamasco no SBT. O ambiente era protegido. Não houve perguntas incômodas, ao contrário, havia o intuito de que ele se explicasse, pudesse contar a sua história plausível, e assim viesse a aplacar o enorme ruído em torno das suas operações financeiras descobertas pelo COAF.

Ao longo da entrevista, Queiroz foi desenhando em largos traços o seu perfil. Pai, marido, cumpridor dos seus deveres. Trabalhador contumaz, deu sangue e suor para a campanha ao senado do seu empregador, Flávio Bolsonaro. Alcançada a vitória, era hora de pensar em si mesmo.

Com um sorriso no rosto, Queiroz revelou os flagelos que enfrenta. Uma bursite no ombro, um pouco de sangue nas fezes, e, no dia mesmo em que deveria atender à quarta intimação do Ministério Público, a notícia de que tem um câncer no intestino, um tumor grande que precisa ser extirpado.

Não, Fabrício não usou essa palavra extirpado. Ele até se atrapalhou na hora em que revelou que havia feito uma biópsia. Queiroz fala de maneira simples, abusa dos rs, insiste no vício de que ele é o “pobrema”, na tentativa de afastar a família Bolsonaro das investigações do Coaf e do barulho da imprensa.

“Um cidadão de bem”, “um sujeito bacana”, “querido, muito querido”, e para provar, declara à jornalista que recebeu mensagens solidárias de dez, doze parlamentares da Alerj.

O tempo todo Fabrício usou uma tática que parece lhe ser habitual: Fabrício revelou coisas e omitiu outras, sempre com o mesmo sorriso e a certeza de que estava num lugar protegido. Com naturalidade, disse que só falaria sobre as movimentações da sua conta bancária no Ministério Público. Escondeu o sobrenome do seu médico, assim como o hospital onde esteve internado para exames invasivos.

Deu detalhes muitos sobre a sua doença. Falou do estado das suas fezes, riu ao descrever o exame de toque, o primeiro que fez na vida, segundo declarou. Até aproveitou para mandar um recado às filhas: “Papai tá bem, papai vai ser operado, mas tá bem”.

Uma história plausível? Eu diria que há na sua narrativa, um esforço canhestro de edição. Um jeito mal arrumado de dizer as coisas, colocando fatos díspares em cima de fatos díspares. Engenharia doméstica para forjar a sua casca de cidadão de bem, homem trabalhador, um sujeito que sabe “fazer dinheiro”.

A narrativa de Queiroz oscila entre uma esperança e o risco completo. Esperança em que o jornalismo declaratório e factual empacote sua história como verídica. Esperança de que o MP estadual, aliado ao Ministério da Justiça, endosse e dê plausibilidade ao seu discurso.

O risco vem do lado da possibilidade de um jornalismo investigativo prosseguir escavando as lacunas da sua história. Um jornalismo investigativo que queira insistir em perguntas incômodas, provas e contraprovas, um jornalismo ocupado em perseguir os rastros do dinheiro do Queiroz, isto sim, poderá ser um grande risco para a ruína da sua narrativa.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s