Uma Lenda para o Novo Mundo

Muitos de nós estamos perplexos, impressionados de como pudemos chegar até aqui, no mundo rosa/azul da ministra Damares, um mundo do ministro Vélez, inimigo contumaz do marxismo cultural, um mundo capitaneado pelo presidente Jair Bolsonaro, que incita seus apoiadores ao extermínio da bandeira vermelha, nem que para isso seja necessário manchar a camisa de sangue.

E de que maneira chegamos até aqui? Tenho certeza de que esse quixotesco passo se deu por conta de uma narrativa. Sim, porque para se erguer uma multidão, para se fazer com que essa multidão vibre numa mesma sinfonia, para que se possa fazer com que essa multidão ecoe o mesmo brado, há que se ter arranjado as sílabas de uma narrativa, há que se ter inculcado nas cabeças dessa multidão, a síntese principal desse arrazoado.

Os veios dessa narrativa são simples, e já foram assacados em outras épocas históricas, tanto aqui no Brasil como em outras partes do mundo. O arranjo envolve a construção de um inimigo, o engendramento da sua derrocada, a forja dos heróis que darão sua vida e seu sangue para o seu extermínio.

No Brasil, o inimigo a ser combatido são os governos do PT, e, na proa do seu legado, a pessoa do ex-presidente Lula. A narrativa de combate foi sendo gestada desde o princípio do primeiro mandato do ex-presidente em 2003, e foi crescendo, ganhando contornos importantes e lapidares, à força de uma conjunção que envolveu a grande mídia comercial, o parlamento e o poder judiciário.

O inimigo foi vestido com as cores da corrupção, e, nas ruas e praças do país, ganhou bonecos infláveis vestidos de presidiários, para gáudio e urras de multidões convocadas pela própria mídia em seus horários nobres. Em 2014, a narrativa ganhava um novo herói, saído das hostes da justiça, empunhando a lava jato como a grande usina capaz de triturar o que era conhecido como o “quadrilhão do PT”. O modus operandi deu certo.

Levou algum tempo até que chegássemos aqui. Os detentores da narrativa de combate organizaram-se, e, em 2016, depunham Dilma Rousseff do palácio do planalto. Abriam as porteiras para que se estabelecesse um novo governo interino, apto a combater a corrupção e erguer sua ponte para o futuro. Instalado o processo eleitoral, encarcerado o ex-presidente cujo capital político era uma ameaça concreta, limpou-se a pista para que a narrativa pudesse apresentar-se em toda a sua limpidez.

Cada uma das candidaturas buscou tirar proveito da narrativa. Mas nenhuma conseguiu empunhá-la com mais maestria do que a candidatura de Jair Bolsonaro.

Ele, esse cidadão ordinário, no dizer de Eliane Brum, foi capaz de tocar nas cordas mais íntimas da parcela conservadora de nossa sociedade. Ele conseguiu aglutinar em torno de si, as outras vozes que ecoavam esses ditames: combate ao inimigo, que ora chamam de PT, ora chamam de socialismo, ora chamam de ideologia.

Chegamos até aqui, mas há uma profunda sede de vingança dos detentores dessa narrativa nefasta. Chegamos até aqui, mas ainda poderemos afundar muito mais, num novo modo de combate que apenas está começando.

 

(Este post foi publicado em minha coluna impressa de hoje do Jornal #AUniao)

Anúncios

One thought on “Uma Lenda para o Novo Mundo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s