O Presente de Sérgio Moro

Em sua última entrevista fornecida ao Jornal das Dez da Globo News, o então ministro da Justiça Sérgio Moro, indagado por Merval Pereira sobre o processo e a prisão do ex-presidente Lula deu a seguinte resposta: “O ex-presidente Lula faz parte do meu passado. Não pertence mais nem ao meu presente nem ao meu futuro! A afirmação, feita com ligeireza, como aliás, as falas do ministro na maior parte daquela entrevista, demonstram bem a natureza do presente vivido agora por ele.

De fato, Sérgio Moro agora pode abdicar com tranquilidade da rigidez dos discursos jurídicos. Pode esquecer as recomendações de somente falar nos autos, pode até assumir momentos de brincadeiras e piadas, e, se for conveniente, pode até deixar de lado convicções e crenças, para corroborar medidas completamente diversas daquelas que teve de protocolar, quando no exercício da sua carreira de juiz, e sobretudo com respeito ao processo do ex-presidente Lula.

Indagado por exemplo, em outras ocasiões, a respeito das denúncias do COAF, envolvendo Fabrício Queiroz, amigo do presidente Jair Bolsonaro e funcionário do então deputado estadual do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, agora senador da República, Sérgio Moro falou com muita ligeireza e nenhum compromisso sobre movimentações suspeitas de mais de um milhão de reais nas contas do Queiroz, assim como de dinheiro do mesmo que foi parar na conta da primeira dama, Michele Bolsonaro.

Ao tempo em que escrevo a coluna. Jornais, tvs e portais de notícias exploram um novo desdobramento do caso Queiroz. O agora senador Flávio Bolsonaro pede ao Supremo que o processo seja suspenso no MP do Rio e seja encaminhado ao STF, por conta do foro privilegiado do Senador.

Em seu plantão, diligentemente, o ministro Fux encaminhou o caso ao Ministro Marco Aurélio de Melo, que logo que retorne do recesso, a partir de fevereiro, julgará do foro privilegiado e da continuidade do processo.

Fico aqui pensando no presente vivido pelo ex-juiz Sérgio Moro. Pensando no esforço que ele teve de empreender, no seu passado recente de juiz, para encarcerar e manter na prisão o ex-presidente Lula. Pensando nas páginas e páginas da sentença que teve de escrever, no apoio que angariou, tanto na segunda instância quanto no Supremo, para manter suas decisões.

No passado recente, e pode-se dizer, em carreira meteórica, o juiz ganhou fama, poder e tornou-se celebridade. No presente, Sérgio Moro recebeu um super ministério, concentrando justiça e segurança, apto a combater corrupção, crimes do colarinho branco, desvios de reservas, tráfico de drogas, e muito mais. Como agirá o ministro no caso Queiroz, que se abeira perigosamente do palácio do Planalto, do senado da República e da vida pessoal do presidente?

Em sua última entrevista fornecida ao Jornal das Dez da Globo News, o então ministro da Justiça Sérgio Moro, indagado por Merval Pereira sobre o processo e a prisão do ex-presidente Lula deu a seguinte resposta: “O ex-presidente Lula faz parte do meu passado. Não pertence mais nem ao meu presente nem ao meu futuro! A afirmação, feita com ligeireza, como aliás, as falas do ministro na maior parte daquela entrevista, demonstram bem a natureza do presente vivido agora por ele.

De fato, Sérgio Moro agora pode abdicar com tranquilidade da rigidez dos discursos jurídicos. Pode esquecer as recomendações de somente falar nos autos, pode até assumir momentos de brincadeiras e piadas, e, se for conveniente, pode até deixar de lado convicções e crenças, para corroborar medidas completamente diversas daquelas que teve de protocolar, quando no exercício da sua carreira de juiz, e sobretudo com respeito ao processo do ex-presidente Lula.

Indagado por exemplo, em outras ocasiões, a respeito das denúncias do COAF, envolvendo Fabrício Queiroz, amigo do presidente Jair Bolsonaro e funcionário do então deputado estadual do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, agora senador da República, Sérgio Moro falou com muita ligeireza e nenhum compromisso sobre movimentações suspeitas de mais de um milhão de reais nas contas do Queiroz, assim como de dinheiro do mesmo que foi parar na conta da primeira dama, Michele Bolsonaro.

Ao tempo em que escrevo a coluna. Jornais, tvs e portais de notícias exploram um novo desdobramento do caso Queiroz. O agora senador Flávio Bolsonaro pede ao Supremo que o processo seja suspenso no MP do Rio e seja encaminhado ao STF, por conta do foro privilegiado do Senador.

Em seu plantão, diligentemente, o ministro Fux encaminhou o caso ao Ministro Marco Aurélio de Melo, que logo que retorne do recesso, a partir de fevereiro, julgará do foro privilegiado e da continuidade do processo.

Fico aqui pensando no presente vivido pelo ex-juiz Sérgio Moro. Pensando no esforço que ele teve de empreender, no seu passado recente de juiz, para encarcerar e manter na prisão o ex-presidente Lula. Pensando nas páginas e páginas da sentença que teve de escrever, no apoio que angariou, tanto na segunda instância quanto no Supremo, para manter suas decisões.

No passado recente, e pode-se dizer, em carreira meteórica, o juiz ganhou fama, poder e tornou-se celebridade. No presente, Sérgio Moro recebeu um super ministério, concentrando justiça e segurança, apto a combater corrupção, crimes do colarinho branco, desvios de reservas, tráfico de drogas, e muito mais. Como agirá o ministro no caso Queiroz, que se abeira perigosamente do palácio do Planalto, do senado da República e da vida pessoal do presidente?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.