A Língua do Desespero

Com ela não se pode conjugar verbos, adjetivos carinhosos, desaforos gritados. A língua do desespero é universal, mas com ela só se pode engendrar um longo grito sufocado, a reboar intermitentemente, para dentro, para dentro.

As montanhas, os cães farejadores, os pássaros, as vacas, as galinhas, a criança pequena, a mulher, o trabalhador, todos a emitir o grande urro sufocado, para dentro, para dentro.

A língua do desespero, tingida de lama e de sangue, sufocada por pedras, madeira, brinquedos esfolados, geladeiras, colchões, a língua do desespero, tingida de surpresa macabra, inventa um modo de chorar, para dentro, para dentro.

Um brado de células, de pernas, de pedras, de flores, de peixes, de pássaros, de dedos, de montanhas ocas dos seus recheios, um brado de corpo inteiro, amarfanhado, imprensado, soterrado, virado e desvirado, arrancado aos bocados da sua estrutura antiga, espalhado, soterrado, urrando para dentro.

A língua do desespero não cabe nos dicionários, nem nos exames de língua estrangeira. Universal, a língua do desespero só se aprende na hora, no amálgama indistinto de homens, árvores, pássaros, peixes, rios, flores, frutos, insetos, ecoando a palavra única do espanto tingido de dor, da falta de ar, da surpresa, da incompreensão, DO ESTUPRO, da morte, palavra última ecoando para dentro.

A língua do desespero solta sua palavra definitiva, enquanto a lama rosna, invade, preenche, arranca, sufoca, afana o hálito bom da vaca de leite, esmaga o roseiral, tritura a couve, a alface, afunda o teto da casa, esmaga suas portas, desarruma irremediavelmente os quartos de dormir.

E logo que encerra seu pequeno grande esforço de dizer, a língua do desespero entrega-se ao rosnar da lama, ao estrugir da sua sanha destruidora. E eis que o rio, pressentindo a catástrofe, ergue-se num modo único de bradar na língua do desespero, um único modo de mostrar-se, para depois ser lodo e peso pesado de rejeitos, líquido e viscoso cemitério de peixes.

Cansada de correr, pesada das suas mortes, a lama caminha devagar, alisando, enterrando, premindo, com calma e paciência, esse seu imenso sepulcro feito de silêncio.

Ávida por liberdade, a lama explora, abre, afunila, cresce, afana lugares ontem antes viviam raízes. A lama assombra o silêncio com seu borbulhar incessante.

E vem o tempo da faina, o tempo da fala, das escavadeiras, dos sonares, dos toros de madeira escavando, dos gritos e buzinas, das quedas por entre os socavões, do prazer da lama a sugar.

A faina dos longos protocolos, das promessas compridas, das lágrimas, abundantes, molhando a lama inclemente.

Acabou-se a avidez da procura. Cansada, finalmente a lama esmera-se em seu repouso de secar, aplainar, soterrar.

A lama descansa, com suas grossas estrias, feito riso macabro de barro, indiferente ao silêncio e ao sol do meio dia.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s