Mulheres que Lutam com seus Corpos

Será uma manifestação de força. Uma manifestação de coragem. Uma manifestação afirmativa. Uma manifestação impressa nas almas, nos corpos, nas vozes, nos gestos delas, as mulheres da Paraíba.

Haverá canto, dança e poesia. E já defronte do Teatro Santa Roza, a partir das 14 horas, haverá a presença da alegria, da ternura, do segurar das mãos, tudo regado a um misto de apreensão, de tristeza, tudo regado à uma aura de “sororidade”, sentimento que vem presidindo a luta das mulheres brasileiras e paraibanas.

Um misto de tristeza sim. De indignação. As ruas do centro estarão cheias de mulheres, mas cada uma lembrará o vazio de uma mulher morta, em casa, no trabalho, na rua. Cada uma terá em si mesma, o vazio de uma mulher anulada, encerrada no medo, guardada entre quatro paredes, sob o olhar vigilante da opressão.

Ecoarão seu grito de guerra, repartindo as sílabas por entre o barulho da cidade: “Mulheres vivas, livres e por direitos”!

Mulheres vivas, cada palavra batendo com vigor nos muros da cidade, vozes suaves, vozes fortes, vozes de adolescentes e de senhoras, ecoando esse coro pungente, urgente, premente.

Caminharão. Passos decididos, levando seu grito de guerra até à Praça dos três Poderes, seguirão   para a Lagoa do Parque Solon de Lucena, os rostos e corpos pintados, faixas e cartazes nas mãos, a urgência de dizer, com o corpo inteiro, da necessidade de que se atalhe a violência, a injustiça, a opressão, o assédio, a brutal intolerância, de companheiros, de familiares, de desconhecidos a golpeá-las com o aço da sua crueldade.

Muitas mulheres, livres e por direitos, mulheres em carne viva, refazendo o caminho, reorganizando a trilha, o ciclo, olhos marejados, olhos brilhando de tenacidade e determinação.

|           Mulheres vivas, arrancando da força da sua luta, a presença de tantas outras guerreiras, arrancadas brutalmente do centro da batalha. Margarida Maria alves, Violeta Formiga, Maria da Penha, esta outra Maria da Penha, martirizada, mas ainda lutando.

Mulheres em carne viva, sem um momento sequer para descansar a cabeça. E convocam quem já não está aqui, mas parece tão viva, entre as árvores, os carros, as botas dos militares, os ternos engomados dos parlamentares. Marielle, presente! Marielle, presente! Marielle, presente!

Os dias caindo na bacia do tempo, mais de trezentos dias, quem matou Marielle? O silêncio sombrio dos cadeados, das metralhadoras escondidas, o cinismo no riso da autoridade, o processo engordando suas folhas de inutilidade.

Voltam para casa, lavam o suor do rosto, mulheres vivas, livres e por direitos, e retomarão de novo as ruas, vão escavar com seus gritos, a indiferença e a covardia dos criminosos. Quem matou Marielle? Ficarão roucas, mas não descansarão. Quem matou Marielle? Quem surrupia, todos os dias, com um ódio nojento, a vida das mulheres?

One thought on “Mulheres que Lutam com seus Corpos

Deixe uma Resposta para Cida Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.