A Tempestade dos Dias

Não sei se você também escuta a tempestade. Ela é persistente, absoluta, espécie de música frenética de martelos batendo seus pingos de ferro na vida da gente. Uma tempestade sem tréguas, renovando-se em força e vigor desde as primeiras horas desses dias de julho, até as madrugadas frias, devassadas com o barulho do que se planeja, do que se vota, do que se prepara para um país que  esmagado por forças centrípetas, recua para trás, para longe dos marcos da democracia e da justiça social.

É dramática e titânica, a luta dos partidos de oposição, no sentido de atalhar a chuva de medidas que destruirão a previdência social, sob a pecha de que se estará acabando com privilégios, de que, com a reforma, se resgatará o pleno emprego, se estará abrindo as portas do país para os investimentos estrangeiros, e, mentira das mentiras, se garantirá uma velhice tranquila para as próximas gerações.

Bátegas grossas de conteúdos divergentes trafegam pelas ondas da tv e das redes sociais. Os partidos da situação, inflamados e quase às lágrimas, falam em “amor pela pátria”, compromisso com os pobres, ocultando os bilhões de reais travestidos em emendas parlamentares, como garantia de que o voto de cada um será a favor da reforma.

A oposição, em discursos não menos inflamados, aponta as cifras da tragédia. O regime da previdência geral arcará com oitenta por cento dos recursos que o governo espera economizar nos próximos anos. Como falar de privilégios, quando as aposentadorias do regime geral da previdência alcançam hoje o teto de 5.800 reais?

Más notícias ainda virão. Passada a fase de votação na câmara e no senado, certamente se voltará a discutir o malfadado regime de capitalização, que, se vier a ser aprovado, destruirá o regime de colaboração tripartite que sempre apoiou a previdência, cuja manutenção está solidarizada entre o estado, o empresariado e os trabalhadores.

Mas a tempestade dos dias não se abate somente sobre os trabalhadores, dentro do Congresso Nacional. Há uma chuva malsã de acontecimentos muito ruins. No poder judiciário, consolida-se a insólita tese de que não há mais um regime de justiça no Brasil. O tecido social, completamente esgarçado, esbate-se entre ondas de violência e desespero.

Aumento dos crimes de feminicídio; mortes estúpidas em salas de cinema, supermercados, favelas, muitas mortes estúpidas nas favelas, nas ruas de São Paulo, a pobreza morrendo de frio e inanição.

O país sendo dissolvido no torvelinho dessa tempestade dos dias. E o ruído solerte do capital, aniquilando, comprando, forjando o marco cruel para a submissão e o empobrecimento absoluto.

É uma sinfonia terrível esta, que agora ganha tons de agonia e de tristeza. O último golpe, a última bátega, atingiu o dono da ironia fina, inteligente, do combate agressivo em defesa da justiça social e do jornalismo focado na autonomia e na propagação da verdade. O seu coração valente não resistiu às pressões do golpismo. Adeus Paulo enrique Amorim, que nos deixa órfãos, a escutar sozinhos esse fragor de destruição.

Não sei se você escuta a tempestade. Veja como ela estruge, lembrando a tropelia macabra das ratazanas de terno…

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.