O Gigante Encolhido

Passados quase oito meses do governo Bolsonaro, algumas perguntas estão sendo feitas por especialistas, cidadãos comuns, formadores de opinião em geral. As respostas são preocupantes. A primeira pergunta que se impõe é a de saber se as reformas impostas ao país trarão consequências de longo prazo, e, algumas delas, irreparáveis.

Para algumas dessas questões, as previsões são inquietantes. A reforma da previdência, por exemplo, poderá gerar uma horda muito grande de indivíduos que nunca conseguirão se aposentar, seja porque dependerão do mercado informal ou do sub emprego, e assim não alcançarão fazer parte daqueles coletivos de trabalhadores que contribuirão para a previdência, podendo fazer jus ao direito após quarenta anos de trabalho.

Os cortes impostos à pesquisa científica e à educação no ensino superior já acarretam perdas irreparáveis. Descontinuidade dos processos habituais de formação, precariedade na prestação dos serviços terceirizados, impossibilidade, em quase todas as universidades, da participação de docentes e estudantes em eventos nacionais e internacionais para o compartilhamento do conhecimento produzido.

Nas universidades, aliás, uma espécie de espada de Dâmocles paira sobre as cabeças das comunidades universitárias. Em setembro, por exemplo, a nossa UFPB ameaça parar suas atividades, por falta de serviços essenciais como energia, telefones, e atividades de limpeza e manutenção das salas de aulas, laboratórios e demais ambientes de trabalho.

O incisivo processo de privatizações, celebrado pela grande mídia, pela classe política e por expressivos setores da sociedade civil demonstra a tenacidade do governo para reduzir o tamanho do estado, que se centrará, como diz o próprio presidente, em políticas de segurança, de atendimento a demandas na educação básica e desenvolvimento do país.

Nessa estreita rubrica, entenda-se como política de segurança, o fortalecimento das ações ostensivas da polícia nas comunidades pobres, associada ao armamento dos cidadãos do campo e da cidade; para a atenção à educação básica, entenda-se censura aos conteúdos, militarização do ensino e extinção de disciplinas como filosofia, sociologia e história; na área do desenvolvimento, há que se facilitar a liberação dos agrotóxicos, a liberação de terras indígenas para a exploração da garimpagem e de outras riquezas naturais; a abertura integral do mercado para o capital estrangeiro; a entrega dos parques e reservas para os negócios do turismo mundial.

O grito mais alto de alerta vem do meio ambiente. Os desfalques criminosos perpetrados contra a floresta amazônica já são irreparáveis. Florestas são coletivos vivos. Ecossistemas complexos que levam centenas, senão milhares de anos para se recomporem. A sanha liberal progressista do atual governo não compreende a relevância dessa biodiversidade e não olha senão para a mesma, com uma caneta bic em riste, calculando as cifras que serão auferidas com o garimpo, o agronegócio e a especulação imobiliária.

O país do futuro pode ser um território estéril, com um amontoado de problemas insolúveis, um povo sisudo e revoltado, demarcado por uma clara cisão entre uma grande maioria de empobrecidos e uma pequena casta de gente branca muito rica. Há que se inventar um novo nome para esse lugar, que vem celeremente se convertendo num gigante encolhido.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.