Os Quatro Tempos da Morte

 

Os legistas disseram que não é possível determinar de que fuzil partiu a bala assassina que vitimou Agatha Félix. Os legistas disseram muita coisa. A bala partiu de um fuzil, mas, no corpo da menina, fragmentou-se toda, como se quisesse esconder rastros, como se quisesse mascarar o crime.

Os legistas devem ter visto que a menina morreu rápido. Apartou-se do lençol pesado de medo que a cobria, do pequeno travesseiro de alegria que  percutia em seu corpo, por conta da sua última aula de balé.

Os legistas não souberam dizer de onde partiu a bala de fuzil. Rápida, certeira, vindo direto ao banco da combe onde a menina mastigava seu medo e sua alegria, como se fosse uma refeição incongruente, pedaços de coisas estranhas dançando no seu estômago, nas suas vértebras, nas suas mãozinhas

suadas.

Por causa do seu protocolo, da sua linguagem técnica, dos seus rituais, das suasconveniências, os legistas não disseram o essencial, fizeram silêncio absoluto sobre o que viram, na pequena coluna destroçada, no rostinho exangue, nas mãozinhas hirtas e geladas.

Os legistas calaram-se ante à retumbante verdade debruçada sobre aquele cadáver pequeno, gritando suas sílabas peremptórias: Eu sou a máquina da morte. Estou aqui para a debulha, a ceifa,  o trucidamento. Sou fruto de leis, protocolos, decretos.

Eu sou a máquina da guerra: contra os pobres, os negros, e não pouparei meninos e meninas fardadas, vestidas para o balé, com suas mochilas quase vazias, guardando suas merendas caseiras.

Os legistas ajustaram suas máscaras, desviaram o rosto, mas, debruçada sobre o pequeno corpo de Agatha Félix,  a verdade prosseguiu no seu libelo: Sou inflexível, imperiosa, envolta nesse vórtice poderoso de ódio que imprime sua fala definitiva nos corpos, nas vielas, nos becos, no caminho nervoso do trânsito, até os hospitais, os necrotérios, as pedras frias da morte.

Os legistas têm pressa. Encerram o trabalho com mãos nervosas. Envolvem o corpo em seus lençóis brancos. Arrancam máscaras, batem portas, abandonam a sala da morte. Lavam vigorosamente as mãos, enquanto lá fora, a máquina da guerra executa seu bailado. O som é áspero e duro, aqui não há semibreves.  e semicolchêias retumbantes, atritando-se, esbatendo-se em corpos tenros de meninos e meninas, esburacando paredes, pedaços de asfaltos, bancos de combes em fuga.

E eis que a única semibreve vibra seus quatro longos tempos. Os quatro tempos da morte.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.