Instantâneo Noturno

O vento inventa seus apitos de infäncia na minha vidraça, na rua, um guarda assombra seu medo com um apito de brinquedo. Minha noite, mal começada, espreme suas horas em bits e bits. Instantâneos de um quadro que não foi pintado, com o mar, lá ao fundo, a borrifar os coqueiros com as ondas que fabrica. Há vida lá fora. Alguém segura o elevador que protesta. Os relógios contam a fábula do tempo previsível. Atiro para longe meu pincel imaginado, escondo esse quadro, para que ninguém desmonte sua fábula.

Anúncios