Os dilemas da Crise

Os acontecimentos dos últimos dias na política brasileira são estarrecedores e revelam a verdade sombria: O país caminha celeremente para a deriva, o governo interino não conseguirá cumprir o objetivo falacioso com o qual foi elevado ao poder, conciliar, unificar, apaziguar a sociedade.

As últimas manifestações da presidente do Supremo, Ministra Carmem Lúcia, conclamando a união do poder judiciário, assim como a ação da mesa do Senado, desafiando e não acatando uma determinação judicial revelam um momento assombroso da crise: As forças estão se entrincheirando, ou pelo menos caminham para essa ação, como um último recurso para se proteger da convulsão social que já se instalou em algumas localidades do país.

Esta semana que se encerra hoje, foi talvez uma das mais insólitas dessa situação de crise. O rio de Janeiro assolado por uma amostra da guerra vivida entre o poder político e os servidores públicos; os estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul formulando a agenda da sua própria hecatombe, Ribeirão Preto sem comando e sem qualquer pessoa idônea que possa assumir a prefeitura.

As promessas do impeachment não se cumpriram, nem há probabilidade de serem cumpridas, a médio e longo prazo. A Lava Jato, que prometia encarcerar todos os membros do governo petista, confirmando assim a fábula midiática de que Lula comandava uma quadrilha de corruptos, atingiu proporções inimagináveis e cifras monetárias impressionantes. A Lava Jato apresentou ao país, a corrupção sistêmica que infesta todas as operações de governo e de política, e que tem um rastro tão longo na nossa história, que fatalmente pede freio, cautela e ações de longo prazo para o seu extermínio ou minimização.

O jornalista Franklin Martins, em excelente entrevista dada ao portal Sul 21 na última quarta-feira, tentou traçar um paralelo entre o que se viveu por ocasião do golpe de 1964 e a atual crise política, na qual, por via de um golpe jurídico político midiático, destituiu-se o poder e o mandato da presidenta eleita.

A situação atual, diz ele, ainda que com outras palavras, é diversa da anterior, mas apresenta uma face muito grave. Uma elite predadora, um poder político completamente contaminado pela corrupção, um poder judiciário ocupado com o justiçamento, uma população despolitizada e completamente órfã de uma mídia que promova uma leitura crítica da situação.

O mais dramático porém, radica na qualidade do poder interino que hoje comanda os destinos do país. Ele próprio profundamente contaminado por práticas de corrupção, sem um projeto de desenvolvimento do país, senão o de desmantelamento imediato das políticas sociais, em favor da implementação de um projeto ditado pelo capital rentista, que empurrará as populações menos privilegiadas a um conjunto de sacrifícios que beiram à crueldade.

O que não disse Franklin Martins, eu o digo agora, de modo telegráfico: Já não temos governo, nem país, senão o conflito aberto, com gosto de gás lacrimogênio e o estampido das balas de borracha.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s