Um Fastfood Macabro

 

“Tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu”. Os versos fortes da canção de Chico Buarque caem como uma luva em nosso estado de espírito. Uma tristeza profunda rega nossos gestos, nosso modo de caminhar, as frases que ousamos escrever, aos arrancos, sobre  um mundo estranho que cresce à nossa volta, como um polvo de mil tentáculos, a deglutir nosso presente, a inventar, aos gritos de “future-se”,uma maneira ousada de desmantelar o que então havíamos erguido com nossas mãos, nosso esforço, nosso suor.

Tem dias que a gente se sente paralisada, e até o ato de escrever a coluna é como uma espécie de guerra perdida com as palavras, com a lucidez, verbos e pronomes arrastando-se pela latitude da tela, enquanto um mundo sórdido abastece-se de fatos reais, cifras aterradoras.

Prossegue o desfile dos corpos caindo, por entre as balas do justiçamento. Persiste o estonteante zunir das motosserras, no âmago da floresta, caminhando de modo galopante para se tornar uma savana desértica. Prossegue a matança infame das mulheres, com facas, com chaves de fenda, com porretes, com armas cujo registro foi convenientemente raspado.         Persiste a insônia, uma espécie de vigília, com suas tenazes de fogo, a abrir nossos olhos para o irremediável, a escancarar nossos ouvidos para a estupidez protocolar, frases insólitas, ditas com a languidez de quem afirma que faltam calcinhas na ilha de Marajó, por isso as índias pequenas são abusadas e estupradas.

Frases celeradas, salgadas com a estupidez, em lives com milhares de curtidas, dando conta de que já não há fome, de que não há desmatamento, de que o aquecimento global é uma falácia, de que a “revolução” de 1964 foi um bálsamo para o progresso do país, de que não houve incineramentos, torturas, silenciamento das vozes e dos sonhos.

Tem dias que a gente se sente imersa numa trituradora de mundos. E olha para nossas filhas mais jovens, e segura as mãos das nossas crianças, e permite que lágrimas de angústia ensopem nosso espírito, a sentir que o presente se acha envolto numa tempestade, e que o futuro não passa de uma palavra vã, imprensada entre o desespero e a morte.

Tem dias que a gente arranca de não se sabe onde, um frêmito de esperança, e vai buscar algum alento na máxima de Marcelo Gleizer: Então, não somos poeira reciclada de estrelas? Nossas células, nossos ossos, são tão velhos quanto o universo. Nós nos regeneraremos, e ergueremos nossos sonhos de novo, num lugar limpo e saudável.

Nesses dias, olhamos para a terra, e ela está ensopada de sangue. E sentimos, sem ver, os dutos da vida contaminados pelos novos agrotóxicos liberados. E tapamos os ouvidos para hecatombe das rochas perfuradas, sob o vigor dos garimpos nas terras dos índios.

Tem dias que a gente escuta o canto tupi guarani, e ele é triste, e zune como aço na alma da gente.

 

(Este post foi publicado hoje em minha coluna do #JornalAUnião)

Anúncios

Crônica Amanhecida

Sexta-feira. Acordei com um pássaro gritando. Deixei-me ficar dentro daquela película de entorpecimento, olhos fechados, toda ouvidos, toda memória, tentando entender a urgência, o quase desespero daqueles trinados.

Minha imaginação, essa pobre besta doente, liberta das imagens do mundo, afeita à sua própria modelagem, cinzelou engrenagens ferrugentas de condicionadores de ar, e um pássaro estripado, ainda cantando.

Outros ruídos foram invadindo a cena da sexta-feira. Os conhecidos latidos dos cães da vizinhança, a monotonia do trânsito, uma pequena nuvem a desfazer-se em plena manhã, como se fora o mundo a carpir uma dor crônica, espécie de unha encravada no espírito do tempo.

E de novo, sem aviso, o pássaro gritou. Vive. Trina com a força de quem não tem sequer uma unha partida.

Repórter do mundo das coisas que não falam, canta para os seus, alguma notícia rutilante.  Tece a rede do discurso a ser pronunciado por cada pássaro que o entenda.

E me dou conta de que desde que me entendi por gente, foi sempre assim, os pássaros acordando o mundo, vigiando com seus trinados, algum entorno desconhecido, alertando os seres que não se alimentam de televisão, nem de jornal, com pequenos grãos de cuidado, bem menos de 140 caracteres, milésimos de bits desse mistério, essa insondabilidade, algo que nunca poderemos ler.

Totalmente desperta, dou-me conta de que sou eu, e o meu mundo, que temos uma unha encravada, uma dor crônica, um desespero latente que tentamos disfarçar, encenando com brilho, cores e letras garrafais, as notícias que serão lidas no dia seguinte, curtidas, sublinhadas, compartilhadas, escorrer de uma fala inútil, que não nos afeta.

Atiro para longe os lençóis, tento sacudir esse torpor, visto-me do dia de sexta-feira, gratificada por aquela urgência, aquele desespero, aquele canto matinal, de cujo mistério nada sei.

E eis que como uma lupa clarividente, a tristeza se me apresenta, para reavivar as achas da minha angústia.

Tento ludibriar o tempo ácido. Tento inventar uma letra para o canto do pássaro.

não enxote a tristeza. não queira que ela vá logo embora. A tristeza pode lhe ensinar com quantos fios de algodão se tece a sua alma.

Tristeza não se cura com o limite do cartão de crédito. Tristeza se vive até o seu limite, depois é lexotan e sonoterapia.

Se a tristeza veio lhe visitar, ofereça-lhe o melhor lugar da casa e aprenda com ela a tecer a crônica das suas horas.

Seja o governador da sua tristeza. Dê-lhe pão, vinho e pague você mesmo a conta da conveniência.

E quando a tristeza for partir, cuide para que leve todos os pertences, a fim de que não haja desculpas para retornar à casa do seu coração.

 

 

A Tempestade dos Dias

Não sei se você também escuta a tempestade. Ela é persistente, absoluta, espécie de música frenética de martelos batendo seus pingos de ferro na vida da gente. Uma tempestade sem tréguas, renovando-se em força e vigor desde as primeiras horas desses dias de julho, até as madrugadas frias, devassadas com o barulho do que se planeja, do que se vota, do que se prepara para um país que  esmagado por forças centrípetas, recua para trás, para longe dos marcos da democracia e da justiça social.

É dramática e titânica, a luta dos partidos de oposição, no sentido de atalhar a chuva de medidas que destruirão a previdência social, sob a pecha de que se estará acabando com privilégios, de que, com a reforma, se resgatará o pleno emprego, se estará abrindo as portas do país para os investimentos estrangeiros, e, mentira das mentiras, se garantirá uma velhice tranquila para as próximas gerações.

Bátegas grossas de conteúdos divergentes trafegam pelas ondas da tv e das redes sociais. Os partidos da situação, inflamados e quase às lágrimas, falam em “amor pela pátria”, compromisso com os pobres, ocultando os bilhões de reais travestidos em emendas parlamentares, como garantia de que o voto de cada um será a favor da reforma.

A oposição, em discursos não menos inflamados, aponta as cifras da tragédia. O regime da previdência geral arcará com oitenta por cento dos recursos que o governo espera economizar nos próximos anos. Como falar de privilégios, quando as aposentadorias do regime geral da previdência alcançam hoje o teto de 5.800 reais?

Más notícias ainda virão. Passada a fase de votação na câmara e no senado, certamente se voltará a discutir o malfadado regime de capitalização, que, se vier a ser aprovado, destruirá o regime de colaboração tripartite que sempre apoiou a previdência, cuja manutenção está solidarizada entre o estado, o empresariado e os trabalhadores.

Mas a tempestade dos dias não se abate somente sobre os trabalhadores, dentro do Congresso Nacional. Há uma chuva malsã de acontecimentos muito ruins. No poder judiciário, consolida-se a insólita tese de que não há mais um regime de justiça no Brasil. O tecido social, completamente esgarçado, esbate-se entre ondas de violência e desespero.

Aumento dos crimes de feminicídio; mortes estúpidas em salas de cinema, supermercados, favelas, muitas mortes estúpidas nas favelas, nas ruas de São Paulo, a pobreza morrendo de frio e inanição.

O país sendo dissolvido no torvelinho dessa tempestade dos dias. E o ruído solerte do capital, aniquilando, comprando, forjando o marco cruel para a submissão e o empobrecimento absoluto.

É uma sinfonia terrível esta, que agora ganha tons de agonia e de tristeza. O último golpe, a última bátega, atingiu o dono da ironia fina, inteligente, do combate agressivo em defesa da justiça social e do jornalismo focado na autonomia e na propagação da verdade. O seu coração valente não resistiu às pressões do golpismo. Adeus Paulo enrique Amorim, que nos deixa órfãos, a escutar sozinhos esse fragor de destruição.

Não sei se você escuta a tempestade. Veja como ela estruge, lembrando a tropelia macabra das ratazanas de terno…

 

 

Os Crimes do Brasil

Não, os verdadeiros crimes do Brasil não são estes dos quais o ex-presidente Lula é acusado e é mantido preso por mais de quatrocentos dias na polícia federal de Curitiba.

Os verdadeiros crimes do Brasil são de toda ordem, e se sucedem numa escalada assustadora, a maior parte deles sob o manto do silêncio da mídia tradicional, do parlamento, do poder judiciário.

Os verdadeiros crimes do Brasil ocorrem as claras, enquanto a suprema corte destila sua retórica inócua e antiquada, para justificar sua incapacidade de fazer justiça.

Os verdadeiros crimes do Brasil buscam o aniquilamento do país como nação. Chegam como disparos de fuzis, e vão abrindo feridas incuráveis na vida brasileira.

Quero aqui falar de alguns desses crimes, perpetrados sem qualquer barreira impeditiva, arranjados com selos, carimbos e protocolos do governo central.

A entrega da base de Alcântara aos Estados Unidos. Eis aqui um crime grave e verdadeiro, uma espécie de escravização do Brasil à tecnologia de ponta americana, um golpe fundo na soberania nacional, sob o manto do silencio da lei.

A drástica redução nos orçamentos da educação superior, da ciência e tecnologia. Este crime comunica-se com o primeiro. Interna e externamente, o país precisa estar submetido à nação de Donald Trump.

Outros crimes eclodem em muitas outras searas. Os oitenta tiros no músico carioca; as centenas de mortes de crianças e adolescentes nas favelas brasileiras; a perseguição às populações indígenas e aos movimentos sem-terra e sem teto.

Há crimes verdadeiros consagrados no próprio âmago do poder executivo. Os trinta e nove quilos de cocaína num dos aviões da comitiva presidencial é um crime verdadeiro.

As descobertas do Coaf envolvendo um dos filhos do presidente, eis um crime verdadeiro, que sequer mobiliza trabalho jornalístico de peso na mídia tradicional. O arsenal com cerca de 117 armas descoberto numa das casas do condomínio do próprio presidente, e, ao encerrar-se desta noite de quarta-feira, o estampido de um outro crime: Arsenal de mais de mil armas apreendido na Argentina, com destino final, o país de Bolsonaro.

O verdadeiro crime brasileiro, é o desmonte do país, que se faz a mãos largas, com brutalidade e ignorância, um país grande, sendo atirado ao despenhadeiro.

A sociedade, parte distraída, parte angustiada, assiste à retórica do Supremo em um jogo de cartas marcadas. Sítio de Atibaia, pedalinhos e triplex do Guarujá. A parcialidade, como um longo lençol de ferro, recobre a longa noite do ex-presidente Lula. Os verdadeiros crimes prosseguem, com uma sanha avassaladora, sob o manto da covardia e da indiferença dos poderes do país.

Escute a terra estalando. É o repicar de mais um crime verdadeiro, com centenas de agrotóxicos sendo liberados direto na veia dos brasileiros.

Escute essa dura sonoplastia de guerra. Escute o país arrojando-se para o abismo, com tantas mãos sujas de sangue e de ódio. É madrugada, e quantos de nós não conseguem conciliar o sono, à escuta dessa sinfonia sórdida…

Quando a Notícia Atropela o Jornalismo

                Em tempos de jornalismo mínimo, factual, declaratório, enquadrado sob um único ângulo, feito geralmente sob a velha rubrica do lead insosso do “quem, diz o que, a quem, com que efeito”, as vezes esse tipo de jornalismo é impactado por um “cisne negro”, um iceberg, um tsunami.

                Foi o que ocorreu no início desta semana, quando o site The intercept br divulgou reportagens com farto material sobre a operação Lava Jato e suas nada corretas relações. O escândalo repercute em toda a sociedade, reverbera estrondosamente nas redes sociais, e, colocou em operação de guerra, a equipe de profissionais da rede Globo, muitos deles, os mesmos que trabalharam com o insólito episódio conhecido como “bolinha de papel”, envolvendo o candidato José Serra, na campanha eleitoral de 2010.

                O mecanismo é o de sempre. Se você tem um escândalo muito grande, que ameaça inclusive os negócios da Globo, invente logo uma boa cortina de fumaça. Grite. Esperneie. Chame os âncoras para ensaiar as performances.

                A cortina de fumaça da vez envolve a invenção de um hacker poderoso, que invadiu os celulares de procuradores do MPF, de membros da força tarefa da Lava Jato, e de jornalistas da Globo.

                Enquanto as redes sociais repercutem até à exaustão, as promíscuas relações entre o então juiz Moro, com o MPF, ministros do Supremo e até agentes americanos, o Jornal Nacional esmera-se em noticiar as ações do  , encenar seus diálogos, revelar sua disposição em se apresentar.

                Com seu mecanismo de falsear a realidade, inventar barrigas,enquadrar a realidade de acordo com os seus interesses,  a rede Globo vai aprofundando o fosso entre o seu jornalismo e os interesses da sociedade. Vocifera contra os vaz                     amentos que agora colocam a Lava Jato em cheque, quando ela própria beneficiou-se largamente dos vazamentos praticados pelo então juiz Moro, nas suas ações persecutórias contra o ex-presidente Lula. Os crimes de Moro eram apregoados e louvados pelos âncoras da Globo, que agora transpiram ódio pelo estupendo e corrosivo material que o The Intercept vem divulgando desde o domingo nove de junho.

                A verdade é que nesses cinco anos de Lava Jato, Moro, Deltan

dallagnol, agentes da polícia federal e rede Globo, constituíram uma força-tarefa poderosa, operando com a narrativa do ex-presidente Lula como chefe da maior quadrilha corruptora do país. As ações céleres do juiz, no caso Lula, retiraram o ex-presidente da corrida eleitoral, e, encarcerado em Curitiba, foi impedido de falar, e assim a candidatura petista perdeu as eleições de 2018 para o candidato Jair Bolsonaro.

                A façanha de Moro e sua equipe, rendeu-lhe o superministério da justiça, mas, agora vem à tona o cheiro fétido dos porões onde tudo isso foi urdido.

                Nas instâncias do “Morogate”, o poderoso hacker inventado pelo mecanismo da Globo nunca teve tanto espaço de tv. Já o The Intercept trabalha duro para entregar material jornalístico de qualidade, em torno das mais de mil horas de informação que segundo informou, uma fonte anônima entregou ao site.   Não se sabe quem vencerá essa batalha. Se a república de Moro, ou o jornalismo ativista de Glenn Greenhald. A sociedade, esta sim, vê desmoronar a democracia, a ética na justiça e a promessa de que o jornalismo oficial faça seu trabalho de acordo com o que promete nos seus manuais.

Nota 1. Este post foi publicado em minha coluna impressa do jornal #AUniao,na última sexta-feira.

Nota 2. a #Globo começa a #desmoronar a barriga do #Hacker!

Nota 3. As próximas  explosões podem implodir a cobertura dos #Marinho!

Meu Corpo de Escritora

Meu corpo de escritora habita o quarto de despojos da minha memória. E, com a paciência de uma velha senhora acumuladora, guarda tudo o que encontra. Cenas prosaicas de rua, extratos de cheiros, os maus e os bons. Antigas lembranças, sensações, sonhos, uma variedade tão grande de coisas, que não se pode nominar.

Meu corpo de escritora, velha senhora de braços longos e memória arguta, arranca das minhas mãos o jorro das palavras, e sem ordem, nem disciplina, vai lhes dando lugar na escrita derramada sobre a folha em branco.

Meu corpo de escritora, esta ladina senhora de mãos que não suam, rouba o que pode nas minhas viagens. Uma conversa íntima na mesa ao lado, um tilintar de pulseira num braço alheio, o jeito de contar as cédulas do atendente da recepção, enquanto chupa o vazio por entre os dentes.

Ladina senhora, a espreitar e demarcar, nas margens dos livros dos outros, uma escrita nova, uma metáfora que depois ela possa sujar e transformar, com alguma tinta antiga do seu alforje.

Trabalha como se fora louca, esta ladina senhora, sem qualquer disciplina, sem tempo nem hora. E ausenta-se, por dias a fio, em vadiagem incerta por não-lugares, a dormitar o germe de alguma frase, boa ou malsã.

As vezes logro escutar a faina do meu corpo de escritora. E escuto mais. Batidas loucas na porta do quarto de despejo. É meu corpo de leitora pedindo sua obra. Inútil. Meu corpo de escritora, enquanto trabalha, desconhece a fome desta pequena senhora etérea, esperando lá fora, tentando entrar, inutilmente.

E como trabalha, a velha cigana! Retoca personagens, empurra outros malarrumados para o centro dos seus mundos, encanta-se com algum ente que precisa de mais atenção, de mais narrativa, e queda-se, a velha senhora, a mimar este ente como se fora um primeiro filho.

Apaga, monta e remonta, atira para longe restos de enredos, como se fossem refeição de ontem requentada.

Inconformada, cospe nas frases novas, e escava de mim o que pode. Descobre meus sótãos, onde guardei o limo das minhas dores. E de lá volta com feridas remontadas sobre os ombros, e nas mãos, carrega quase-pensamentos que não se firmaram, pequenos enredos interrompidos, que vai ver o que pode ser feito com esses arremedos de escrita.

Sem dó nem piedade, sem qualquer confrangimento de consciência, saqueia o que pode, e arrasta para o seu armazém, velhos hábitos, gestos tolos, frases de livros antigos, um grito distante, que escuto num carro em movimento, que pode amoldar à sua vontade, na sua escrita delirante.

E de repente, sem qualquer aviso, atira para longe o que foi escrito. Deita-se sobre os despojos da sua lida, olhos cerrados, corpo inerte, indiferente ao ruído da porta, sacudida pelas mãos frenéticas do meu corpo de leitora.

 

(Este post foi publicado ontem em minha coluna impressa do Jornal #AUniao).

Meu Corpo de Leitora

Descobri agora, que meu corpo de leitora é completamente diferente desse meu corpo postado no sofá, segurando o livro, abrindo de vagar suas páginas, seguindo o fio da narrativa, as vezes demarcando um pedaço de passagem de que gostei mais.

Meu corpo de leitora é etéreo, pequeno, maleável. Pode voar, nadar, andar em barcos, livrar-se de tempestades. Pode encarapitar-se num cacho de palavras, e de repente sair correndo. Pode andar dias a fio junto com os personagens, sem uma dor sequer numa junta, nas unhas dos pés.

Meu corpo de leitora faz alianças com personagens, despreza outros, e, sem nenhum remorso, deseja a morte destes últimos.

Meu corpo de leitora entra em quartos fechados, abre cartas que não são suas, chega antes dos personagens, aos banquetes, às festas, aos velórios daqueles de quem desejou as mortes.

Fora do meu corpo, sentado no sofá da sala, em uma tarde nublada, a segurar pacientemente o livro de capa dura, cheirando a tinta nova, meu corpo de leitora saiu para longe, evadiu-se, agarrado ao traço dos personagens, ao visgo dos seus dramas e alegrias, à contemplação das suas qualidades, dos seus defeitos, das suas porcelanas, da água suja dos seus enredos, deitada fora com o ponto final.

É somente quando precisa chorar, que meu corpo de leitora emerge do fundo do drama dos seus personagens, e com mão ao mesmo tempo suave e firme, sacode dos meus olhos o estoque de lágrimas salgadas. Meu corpo de leitora não tem lágrimas, nem sorrisos, então, sem qualquer cerimônia, pede a mim que sorria ou que chore, e se aborrece quando me ergo do sofá, para preparar uma xícara de café, enquanto o livro degusta sua pausa.

Nessas horas, meu corpo de leitora, agarrado ao meu pensamento com sua adaga fina, insiste, grita, anda para a frente e para trás, como um pequeno unicórnio a espancar o tempo parado.

Meu corpo de leitora não aguenta a paciência, a espera de que eu tenha um livro entre mãos. Meu corpo de leitora deve ser feito de matéria quântica, que não compreende o conceito de espaço-tempo, porque só habita mundos paralelos traçados nessas cápsulas que chamamos livros.

Gosto de pensar que meu corpo de leitora é essa minha sombra, encostada à parede da sala, olhos erguidos para a minha estante de livros.

Todas as Cronicas Deviam ser Bonitas

As vezes, não há como escrever. As mãos travam, as palavras como que se transformam num borrão, o pensamento divaga, as ideias como que se eclipsam, no fundo de um buraco negro, irremediavelmente perdidas.

Sentada diante do computador, com a responsabilidade de lhe dizer algo plausível como uma espada de Dâmocles sobre minha cabeça, tento arranjar as palavras em um conjunto aceitável. Não há mais papel para amarrotar, não há mais o velho caixão de lixo da redação de O Norte, abarrotado dos restos das frases mal sucedidas.

Todas as cronicas deviam ser bonitas. Todas elas deviam narrar o belo, o suave, a vida cotidiana salpicada de alegrias. O domingo, a tarde, o passeio de carro, o chá de bebê.

O domingo, a tarde, o passeio de carro, o chá de bebê.

Essas palavras tolas estão todas sujas de sangue. O sangue que respingou na cara da mulher, interrompendo seu sorriso de satisfação. O sangue que travou a fala dos adultos, enquanto a criança pequena segurava entre os dedos suados, o presente embrulhado em papel colorido.

O domingo, a tarde, o carro crivado de balas, o grito desabrido da mulher, o papel colorido como uma denúncia viva de que todas as cronicas são mal sucedidas agora.

Como escrever? Como aguentar esse desarranjo de palavras? Vá pedir explicações à morte, me diz uma ideia tola,sem nexo nem propósito. A morte? A morte não pode mais abrigar culpas. A morte, aquela senhora velha, seca, alta e determinada,essa senhora morte não passa de uma quimera.

A morte de verdade é uma grande máquina de extermínio. Uma máquina poderosa, ocupada com sua limpa, nos socavões, nos morros, nas periferias, nas esquinas de bares sórdidos, nos assentamentos, nas rodovias,nos povoados distantes onde vivem os indígenas.

As vezes a morte é lacõnica, outras porém, desaba a gritar seus estampidos. Oitenta. Oitenta estampidos de fuzil.

Oitenta estampidos de fuzil, e somente depois é que a morte perguntou-se, entre o riso demente   e o barulho de represar das armas: Por que tantos tiros? Precisaríamos de tudo isso?

A cronica de Evaldo era bonita. Evaldo trabalhava duro, e depois, tocava o seu cavaquinho junto com os amigos. No trabalho ele era o segurança. Na hora da música Evaldo virava Manduca.

Na cronica de Evaldo, o domingo era da família. Do filho pequeno. Da felicidade simples de quem se sente bem com aquilo que tem.

Oitenta estampidos, oitenta palavras de chumbo, eis no que se transformou a cronica de Evaldo.A beleza do domingo fuzilada, sem dó, sem piedade, um pelotão do exército brasileiro destilando seu ódio contra um homem negro e sua família. É o que há para hoje, queridos leitores. Uma cronica suja de sangue de um inocente.

 

(Este post foi publicado ontem em minha coluna do Jornal A União(

Até a Morte tem Medo

 

Eu queria perguntar por Marielle, queria pensar sobre suas últimas palavras, no Buraco do Lume, perguntar por sua sensação de dever cumprido, sua urgência em saber que o tanto por fazer estava mesmo ali, na sua cidade, no seu mandato.

Eu queria perguntar quais teriam sido suas últimas palavras, Prosaicas? Alegres? Preocupadas? Eu queria perguntar, no corpo todo dessa crônica, quem mandou matar Marielle? Quem pagou pela submetralhadora, pela locação do carro, pela ousadia e frieza   do matador, o braço todo tatuado, todo empenhado em atirar, atirar, enquanto a gosma do seu ódio empestava sua própria bílis?

Eu queria perguntar por esse ano todo sem Marielle, mas agora não posso. Há cadáveres esperando no pátio da escola, na geladeira do IML, nos caixões, velados por suas famílias.

Eu queria cantar essa dor coletiva por Marielle, mas agora uma dor nova se apossa de mim, com força de saibro de machado, com virulência de arma de fogo, destroçando artérias, músculos, restos de merenda, planos, juventude, muita juventude.

Queria me juntar ao festival das mulheres, incisivo, jogral dolorido, mas não posso, porque até a morte atalha essa minha vontade, até a morte recolhe seus despojos, com um nó na boca do estômago, a morte, estupefata, fazendo a colheita com uma espécie de tremor nas mãos, a morte, esta senhora incansável, até ela está triste.

Eu queria falar da luta incansável de Marielle, pelas comunidades pobres, pelo empoderamento das mulheres negras, pela defesa intransigente da democracia, mas agora deixo que o pranto indignado distorça frases, desarrume parágrafos, enquanto as vozes cínicas dos gestores do estado contam os mortos e inventam lágrimas para a televisão.

Mataremos uns trinta mil, prometeram os que agora estão no poder. Agora assistem ao derrame de cadáveres, nas tempestades de verão, na sanha virulenta dos atiradores, nos confrontos com a polícia, nas casas de família, onde as cifras de feminicídio engordam assustadoramente.

Queria me juntar às mulheres, e dizer a Marielle que aquela noite terrível não foi em vão. Queria lhe contar que nesse ano todo, nos investimos de coragem, lutamos, e o país dos seus sonhos começou a ser reerguido.

Não posso dizer nada disso. Não posso lhe contar de um país ferido de morte, fedendo a pólvora, os dutos do ódio alimentados sem trégua por todos os dias, os corpos soterrados na lama das mãos impunes da ganância capitalista, os corpos no meio da rua, cadáveres no pátio da escola.

Não posso contar a |Marielle que até a morte, esta senhora circunspecta, empenhada em sua colheita macabra, até a morte se acha assustada.

Até a morte pede trégua, com mãos trêmulas e um quase pranto nos olhos de serpente.

Mulheres que Lutam com seus Corpos

Será uma manifestação de força. Uma manifestação de coragem. Uma manifestação afirmativa. Uma manifestação impressa nas almas, nos corpos, nas vozes, nos gestos delas, as mulheres da Paraíba.

Haverá canto, dança e poesia. E já defronte do Teatro Santa Roza, a partir das 14 horas, haverá a presença da alegria, da ternura, do segurar das mãos, tudo regado a um misto de apreensão, de tristeza, tudo regado à uma aura de “sororidade”, sentimento que vem presidindo a luta das mulheres brasileiras e paraibanas.

Um misto de tristeza sim. De indignação. As ruas do centro estarão cheias de mulheres, mas cada uma lembrará o vazio de uma mulher morta, em casa, no trabalho, na rua. Cada uma terá em si mesma, o vazio de uma mulher anulada, encerrada no medo, guardada entre quatro paredes, sob o olhar vigilante da opressão.

Ecoarão seu grito de guerra, repartindo as sílabas por entre o barulho da cidade: “Mulheres vivas, livres e por direitos”!

Mulheres vivas, cada palavra batendo com vigor nos muros da cidade, vozes suaves, vozes fortes, vozes de adolescentes e de senhoras, ecoando esse coro pungente, urgente, premente.

Caminharão. Passos decididos, levando seu grito de guerra até à Praça dos três Poderes, seguirão   para a Lagoa do Parque Solon de Lucena, os rostos e corpos pintados, faixas e cartazes nas mãos, a urgência de dizer, com o corpo inteiro, da necessidade de que se atalhe a violência, a injustiça, a opressão, o assédio, a brutal intolerância, de companheiros, de familiares, de desconhecidos a golpeá-las com o aço da sua crueldade.

Muitas mulheres, livres e por direitos, mulheres em carne viva, refazendo o caminho, reorganizando a trilha, o ciclo, olhos marejados, olhos brilhando de tenacidade e determinação.

|           Mulheres vivas, arrancando da força da sua luta, a presença de tantas outras guerreiras, arrancadas brutalmente do centro da batalha. Margarida Maria alves, Violeta Formiga, Maria da Penha, esta outra Maria da Penha, martirizada, mas ainda lutando.

Mulheres em carne viva, sem um momento sequer para descansar a cabeça. E convocam quem já não está aqui, mas parece tão viva, entre as árvores, os carros, as botas dos militares, os ternos engomados dos parlamentares. Marielle, presente! Marielle, presente! Marielle, presente!

Os dias caindo na bacia do tempo, mais de trezentos dias, quem matou Marielle? O silêncio sombrio dos cadeados, das metralhadoras escondidas, o cinismo no riso da autoridade, o processo engordando suas folhas de inutilidade.

Voltam para casa, lavam o suor do rosto, mulheres vivas, livres e por direitos, e retomarão de novo as ruas, vão escavar com seus gritos, a indiferença e a covardia dos criminosos. Quem matou Marielle? Ficarão roucas, mas não descansarão. Quem matou Marielle? Quem surrupia, todos os dias, com um ódio nojento, a vida das mulheres?